Há 600 anos era assim! Carta do Infante D. Pedro - Portugal Glorioso

Há 600 anos era assim! Carta do Infante D. Pedro

2 2  ● API
Os avisos de D. Pedro: 600 anos de actualidade...

Carta enviada de Bruges, em 1426, pelo Infante D. Pedro ao seu irmão D. Duarte, antes de ocupar o trono. A Carta de Bruges assenta nos conhecimentos recolhidos, vividos e comprovados por D. Pedro ao percorrer, demoradamente, a Europa, nos contactos em várias cortes, a estabelecer relações diplomáticas e politicas para a consolidação da independência de Portugal após a crise de 1383-1385 e a expedição a Ceuta, em 1416.

Painéis de São Vicente de Fora. A sociedade portuguesa do século XV, representada em seis painéis. D. Pedro encontra-se no 5º - Painel dos Cavaleiros. (clique na imagem para ampliar)

O governo do Estado deve basear-se nas quatro virtudes cardeais e, sob esse ponto de vista, a situação de Portugal não é satisfatória. A força reside em parte na população; é pois preciso evitar o despovoamento, diminuindo os tributos que pesam sobre o povo. Impõem-se medidas que travem a diminuição do número de cavalos e de armas. É preciso assegurar um salário fixo e decente aos coudéis, a fim de se evitarem os abusos que eles cometem para assegurar a sua subsistência.

É necessário igualmente diminuir o número de dias de trabalho gratuito que o povo tem de assegurar, e agir de tal forma que o reino se abasteça suficientemente de víveres e de armas; uma viagem de inspecção, atenta a estes aspectos, deveria na realidade fazer-se de dois em dois anos. A justiça só parece reinar em Portugal no coração do Rei [D. João I] e de D. Duarte; e dá ideia que de lá não sai, porque se assim não fosse aqueles que têm por encargo administrá-la comportar-se-iam mais honestamente.

A justiça deve dar a cada qual aquilo que lhe é devido, e dar-lho sem delonga. É principalmente deste último ponto de vista que as coisas deixam a desejar: o grande mal está na lentidão da justiça.

Enfim, um dos erros que lesam a prudência é o número exagerado das pessoas que fazem parte da casa do Rei e da dos príncipes. De onde decorrem as despesas exageradas que recaem sobre o povo, sob a forma de impostos e de requisições de animais. Acresce que toda a gente ambiciona viver na Corte, sem outra forma de ofício.

Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Post Seguinte
Next Post
Comentários
2 Comentários

2 comentários blogger

  1. Que bom é constatar que em 600 anos isto mudou muito e para muito melhor!

    ResponderEliminar
  2. Ai Portugal Portugal...em crise há 800 anos

    ResponderEliminar