Posts do momento

14 Agosto 1385 - Batalha de Aljubarrota

0 0
Aljubarrota
Painel de azulejos representando um episódio da Batalha de Aljubarrota, 
por Jorge Colaço (1922) - Pavilhão Carlos Lopes, Lisboa, Portugal


Batalha de Aljubarrota
Ao longo dos quase 9 séculos da nossa existência como País independente, os Portugueses tiveram que travar inúmeras e esforçadas batalhas. Umas para alargar o território expulsando a mourama que nos tinha invadido em 711 e fazer do Condado uma Nação, outras para garantir a nossa Independência, e ainda outras quando nos propusemos descobrir novos mundos e nos fizemos ao mar.

Considerando que as batalhas de S.Mamede, de Ourique, Navas de Tolosa e Salado (estas duas em solo Andaluz) a par das Conquistas de Leiria, Santarém, Lisboa, Alentejo e de todo o Algarve foram a argamassa da nossa nacionalidade, a verdade é que a Batalha de Aljubarrota terá sido a “mãe de todas as batalhas”. A desproporção de forças era descomunal e tudo parecia correr mal para o nosso lado, tanto assim era que muitos nobres e outros fidalgos portugueses se passaram para o lado do inimigo, incluindo alguns irmãos (eram 33) do nosso Condestável.

El-Rei D.Juan I de Castela (bisneto de Dª.Constança e trineto de D.Dinis e Dª.Isabel) que reclamava o trono para a sua mulher Dª.Beatriz, que era bisneta de D.Afonso IV o BRAVO e também trineta de D.Dinis e Dª.Isabel, (Constança e o Bravo eram irmãos) vinha com um exército de 30 mil homens incluindo um forte e experimentado contingente de 2000 Cavaleiros Franceses e 4500 peões, lanceiros e arqueiros Italianos e Aragoneses. Para lhes fazer frente, tínhamos apenas 7 mil homens mal armados, incluindo 300 arqueiros Ingleses.

Valeu-nos porém o engenho, a arte, e o génio do intrépido guerreiro chamado D. Nuno Álvares Pereira que, com apenas 25 anos de idade, soube comandar e melhor ainda, soube escolher o sítio mais apropriado, armadilhando-o em menos de dois dias, pois é sabido que Condestável D.Nuno teria chegado a esse local, a 12 de Agosto. No entendimento do Condestável D. Nuno, era nos campos de S.Jorge junto a Aljubarrota que a batalha tinha que se dar porque, caso perdêssemos, tínhamos tempo e espaço para tentar de novo travar aquele enorme exército invasor ainda antes de chegarem a Lisboa, visto que Lisboa, estava cercada pela marinha de Castela.

A crise de 1383/85 deu muito pano para mangas e faz as delícias de muitos historiadores e de quem como eu, gosta de história. Queria chamar no entanto a atenção dos leitores para mais um nome ilustre deste processo ( e foram tantos, incluindo a famosa padeira Brites de Almeida...) como foi o de João das Regras que nas cortes de Coimbra realizadas a 6 de Abril de 1385, com a sua eloquência e bem elaborada argumentação, começa por declarar que o trono de Portugal está vago porque não havia herdeiros legítimos entre os candidatos. (Pôs em causa a validade do casamento de D.Fernando e da aleivosa Leonor de Teles, pais da Beatriz).  Em seguida apresentou os prós e os contras das várias candidaturas, concluindo que o Mestre de Avis era o único que merecia ser rei porque nele coincidiam todas as virtudes que um descendente real deveria ter.


Deixemos agora que seja o saudoso Prof. José Hermano Saraiva a contar-nos, bem à sua maneira, os contornos dessa grande batalha. São 27 minutos de puro deleite...


Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Próximo Post
Next Post
comentários blogger
comentários facebook

0 comentários blogger

Enviar um comentário