Posts do momento

14 Agosto 1385 - Batalha de Aljubarrota

0 0
Aljubarrota
Painel de azulejos representando um episódio da Batalha de Aljubarrota, 
por Jorge Colaço (1922) - Pavilhão Carlos Lopes, Lisboa, Portugal


Batalha de Aljubarrota
Ao longo dos quase 9 séculos da nossa existência como País independente, os Portugueses tiveram que travar inúmeras e esforçadas batalhas. Umas para alargar o território expulsando a mourama que nos tinha invadido em 711 e fazer do Condado uma Nação, outras para garantir a nossa Independência, e ainda outras quando nos propusemos descobrir novos mundos e nos fizemos ao mar.

Considerando que as batalhas de S.Mamede, de Ourique, Navas de Tolosa e Salado (estas duas em solo Andaluz) a par das Conquistas de Leiria, Santarém, Lisboa, Alentejo e de todo o Algarve foram a argamassa da nossa nacionalidade, a verdade é que a Batalha de Aljubarrota terá sido a “mãe de todas as batalhas”. A desproporção de forças era descomunal e tudo parecia correr mal para o nosso lado, tanto assim era que muitos nobres e outros fidalgos portugueses se passaram para o lado do inimigo, incluindo alguns irmãos (eram 33) do nosso Condestável.

El-Rei D.Juan I de Castela (bisneto de Dª.Constança e trineto de D.Dinis e Dª.Isabel) que reclamava o trono para a sua mulher Dª.Beatriz, que era bisneta de D.Afonso IV o BRAVO e também trineta de D.Dinis e Dª.Isabel, (Constança e o Bravo eram irmãos) vinha com um exército de 30 mil homens incluindo um forte e experimentado contingente de 2000 Cavaleiros Franceses e 4500 peões, lanceiros e arqueiros Italianos e Aragoneses. Para lhes fazer frente, tínhamos apenas 7 mil homens mal armados, incluindo 300 arqueiros Ingleses.

Valeu-nos porém o engenho, a arte, e o génio do intrépido guerreiro chamado D. Nuno Álvares Pereira que, com apenas 25 anos de idade, soube comandar e melhor ainda, soube escolher o sítio mais apropriado, armadilhando-o em menos de dois dias, pois é sabido que Condestável D.Nuno teria chegado a esse local, a 12 de Agosto. No entendimento do Condestável D. Nuno, era nos campos de S.Jorge junto a Aljubarrota que a batalha tinha que se dar porque, caso perdêssemos, tínhamos tempo e espaço para tentar de novo travar aquele enorme exército invasor ainda antes de chegarem a Lisboa, visto que Lisboa, estava cercada pela marinha de Castela.

A crise de 1383/85 deu muito pano para mangas e faz as delícias de muitos historiadores e de quem como eu, gosta de história. Queria chamar no entanto a atenção dos leitores para mais um nome ilustre deste processo ( e foram tantos, incluindo a famosa padeira Brites de Almeida...) como foi o de João das Regras que nas cortes de Coimbra realizadas a 6 de Abril de 1385, com a sua eloquência e bem elaborada argumentação, começa por declarar que o trono de Portugal está vago porque não havia herdeiros legítimos entre os candidatos. (Pôs em causa a validade do casamento de D.Fernando e da aleivosa Leonor de Teles, pais da Beatriz).  Em seguida apresentou os prós e os contras das várias candidaturas, concluindo que o Mestre de Avis era o único que merecia ser rei porque nele coincidiam todas as virtudes que um descendente real deveria ter.


Deixemos agora que seja o saudoso Prof. José Hermano Saraiva a contar-nos, bem à sua maneira, os contornos dessa grande batalha. São 27 minutos de puro deleite...



Partilhe este artigo

Portugal Glorioso 124 450 gostos
pessoas partilharam isto
Post Anterior
Prev Post
Post Seguinte
Next Post
comentários FB
0 comentários Blog

0 comentários

Enviar um comentário