Posts do momento

Ricardo Salgado está longe de ser um desgraçado

0 0
F

Desde que Ricardo Salgado foi detido, não faço mais nada se não ler na imprensa lamentos sobre a actuação da justiça, que, segundo dois terços dos nossos opinadores, parece só ter coragem de deitar a mão aos poderosos quando eles já não o são. Basta pegar no último número do Expresso. Martim Avillez Figueiredo: “A justiça tende a actuar apenas depois de se assegurar que os poderosos agonizam no chão.” Pedro Adão e Silva: “A justiça, em Portugal, só chega aos poderosos quando estes já perderam a sua influência social ou o seu poder político.” Daniel Oliveira: “Foi preciso Salgado passar para o lado dos fracos para ser possível esta detenção de necessidade duvidosa.” Luís Marques: “Se ainda fosse presidente do Banco Espírito Santo, será que Ricardo Salgado teria sido detido pelo Ministério Público?” Devo dizer que este coro grego de indignados acaba por produzir uma ladainha falsamente piedosa, que é uma autêntica ode à Dona Inércia.

Todos nós sabemos que a justiça portuguesa tem problemas e que a venda que lhe tapa os olhos está mais puída do que o Santo Sudário. Mas ainda que Salgado esteja a responder tardiamente por crimes que possa ter cometido, ao menos ele está a responder. Colocar a ênfase, neste momento, não nas razões dos seus crimes e no clima político e económico que os permitiram, mas no timing da sua detenção, é preferir ficar a olhar para o dedo em vez de olhar para onde o dedo aponta. É uma escolha. Mas é uma escolha triste.

Em primeiro lugar, porque a probabilidade de terem surgido novas provas que justifiquem a detenção de Salgado é altíssima. Não percebo, sequer, onde esteja o espanto. O Grupo Espírito Santo começou a desmoronar há cerca de mês e meio, e desde então temos assistido a uma verdadeira enxurrada de notícias. Na Suíça, no Luxemburgo e nos Estados Unidos, há investigações a decorrer. Em Portugal, milhares de investidores coléricos estariam capazes de escalpar Ricardo Salgado se lhe deitassem a mão. Perante um cenário destes, não será provável que o Ministério Público tenha uma longa fila de novos informadores a bater à porta, mortinhos por se vingarem e exigindo a cabeça de Salgado?

Em segundo lugar, convém explicar que andar a fustigar a justiça numa altura destas é prestar um fantástico favor a Ricardo Salgado e ao seu vasto exército de beneficiários e serventuários. Não é certamente por acaso que José Sócrates aproveitou o seu comentário de domingo para se colocar fervorosamente ao lado do ex-DDT. Vale a pena rever a sua prestação na RTP, para que se vejam as diferenças entre o tom do comentário sobre os problemas do BES e do GES – onde Sócrates foi redondinho como uma bola de bilhar – e o tom do seu comentário sobre a detenção de Salgado – onde o velho animal feroz exigiu explicações à justiça.

Ricardo Salgado caiu em desgraça, sim, mas está longe de ser um desgraçado. É por isso que tantos lamentos me parecem deslocados. Salgado acaba de constituir um gabinete de crise financiado pela sua fortuna pessoal e que, segundo Pedro Santos Guerreiro, deverá custar cerca de um milhão de euros ao ano. Deixem passar a fumaça e aguardem pelo que aí vem. Um homem que teve o poder que ele teve e que sabe o que ele sabe não é coitadinho nenhum. Se Ricardo Salgado abre a boca, metade do regime parte o pescoço ao cair das escadas. As suas contas bancárias até podem ficar a zeros – enquanto ele tiver memória, continuará a ser um dos homens mais poderosos do país.
JOÃO MIGUEL TAVARES

Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Próximo Post
Next Post
comentários blogger
comentários facebook

0 comentários blogger

Enviar um comentário