Posts do momento

A importância da Matemática nos Descobrimentos

0 0
No modo de cultivar as Matemáticas, havia diferenças essenciais entre a Escola muçulmana de Córdova e Sevilha, a Escola cristã de Toledo e a Escola nascente portuguesa. Na primeira Escola, havia uma certa cultura da Aritmética, da Álgebra e da Geometria, como ciências autónomas; na segunda, tôda a cultura matemática girava à roda da sua aplicação à Astronomia; na terceira, esta cultura era ainda mais reduzida, pois que girava à roda do que na Astronomia era aplicável à Náutica.

Só no século XVI começou em Portugal, como veremos, o estudo das Matemáticas sob o ponto de vista puramente teórico.

O ideal que inspirou D. Henrique na fundação da Escola portuguesa de ciência astronómica é bem diferente do que animara Afonso X na fundação da Escola de Toledo. O ideal do rei castelhano era puramente filosófico; o do infante lusitano era utilitário.

O espírito científico nasceu entre os Lusos mais tarde e subiu alto, mas foram as navegações, com os problemas que lhes propuseram e com os novos aspectos que lhes apresentaram dos fenómenos da natureza, que criaram aquele espírito.




D. Henrique, depois de se cobrir de glória com seu Pai e seu irmão D. Duarte em Ceuta, e de cair desastradamente em Tânger, quis ir bater os muçulmanos nas longínquas paragens da Índia e ordenou que as suas naus navegassem para o sul, à procura de passagem para os mares do Oriente .
Era uma emprêsa audaz, mas o Infante tinha têmpera de herói e confiava no heroísmo da gente lusa. Não conseguiu levar aquelas naus a esses mares. Faltou-lhe tempo. Mas, ainda no século em que viveu, o velho mundo recebeu com pasmo a notícia de que uma armada lusa abordara às praias de Calecute.
Devemos notar aqui que, quando D. Henrique começou a ocupar-se da náutica, possuía já Portugal uma considerável navegação costeira e uma importante marinha de guerra, destinada a defender aquela navegação e os portos do país dos ataques dos piratas da Mauritânia, que começara a ser organizada,  já  no tempo de D. Dinis, e dispunha também, para dirigir as naus, de marinheiros experientes e valorosos.

Nos tempos anteriores à fundação da Estação de Sagres, os nautas afastavam-se pouco da costa e, quando o faziam, fixavam a posição do navio pelo rumo (isto é pelo ângulo constante formado pela direcção do seu movimento com os meridianos que ia cortando) e pelas distâncias percorridas. Nas viagens novas, os pilotos colhiam estes elementos, que os que vinham depois aproveitavam. Mais tarde empregaram-se para o mesmo fim os rumos e as latitudes.

Em cada um dêstes dois meios de regular o movimento do navio, dois números determinam a sua posição no mar relativamente ao lugar de onde partiu. Não sabemos em que época o segundo modo de navegar substituiu o antigo, que era menos prático e não era apropriado à navegação no mar alto; o que sabemos é que já tinha sido indicado por Afonso-o-Sábio no seu Libro de las Partidas (onde diz que com o astrolábio, a bússola e a carta náutica se podem dirigir com segurança os navios no mar), que foi empregado por Diogo Gomes em 1642, no mar da Guiné, e que êste célebre navegador se serviu, para determinar as latitudes, do método que as deduz da altura meridiana da Estrêla polar, altura que mediu por meio de um quadrante graduado.

É natural que tenha sido empregado pelos pilotos de D. Henrique desde a ocasião em que, começando a internar-se no Oceano, precisaram, para se orientar, de recorrer aos astros. Este modo de determinar as latitudes era conhecido desde a antigüidade, assim como o instrumento com que Diogo Gomes observou a estrêla mencionada, e estavam assinalados nos Libros del saber de Afonso-o-Sábio, que o Infante certamente conhecia, porque existia um exemplar desta obra na biblioteca da côrte.

D. Henrique  morreu em 1460. Morreu solteiro e pobre.

Tinha dado a Portugal, com o seu coração, todos os seus esforços e todos os seus haveres.
Tinha gasto tudo na preparação das expedições e tinha ainda gasto nelas as rendas da Ordem de Cristo, de que era Grão-Mestre.
Alcançara a glória de ser o génio criador e o primeiro organizador das navegações maravilhosas dos Lusos e, com a sua energia inteligente e pertinaz e com a sua fé sugestionadora, fizera dos seus marinheiros heróis.
Portugal, reconhecido, venerou e glorificou sempre a sua memória e o seu nome figura aureolado nas páginas da Epopeia dos Lusíadas. (...)

bolsanobolso.com

Partilhe este artigo

Portugal Glorioso 124 400 gostos
pessoas partilharam isto
Post Anterior
Prev Post
Post Seguinte
Next Post
comentários FB
0 comentários Blog

0 comentários

Enviar um comentário