Posts do momento

Camarate foi atentado: Confissão do fabricante de bombas

0 0

Neste video assiste-se à confissão de mais um envolvido no atentado Camarate. José Esteves, o fabricante de bombas.

Antes de ir ao Parlamento falar à porta fechada, José Esteves mandou a sua confissão para os jornalistas. José Esteves, o presumível autor da bomba de Camarate, fez chegar à Comunicação Social uma confissão que diz que lhe irá servir de base para o testemunho que vai prestar na Assembleia da República, perante os deputados da Xª Comissão Parlamentar de Inquérito à Tragédia de Camarate. E explicou: “Faço esta divulgação prévia não por desrespeito à AR, mas sim porque sei que vou ser ouvido à porta fechada, facto que vai contra a minha vontade expressa, pois aquilo que tenho a dizer deve ser do conhecimento público”.

"Camarate foi isto, um atentado encoberto pela Polícia Judiciária. A Polícia Judiciária é uma polícia bandida e contumaz porque encobriu e nunca respondeu por todos os crimes que tem cometido", afirmou José Esteves, no final da audição, à porta fechada, na X Comissão de inquérito à tragédia de Camarate.
«Durante o ano de 1995, a TVI foi a televisão que mais trabalhou na investigação de Camarate. Entre os vários profissionais, destacou-se o nome de Miguel Ganhão Pereira, que cinco anos mais tarde, acabaria por se suicidar. Foi a 4 de Dezembro, no dia de Camarate. Miguel tinha sido pai recentemente e não parecia dar sinais de que poderia ser capaz de cometer tal acto.
Sem especular sobre as circunstâncias do seu desaparecimento, veja-se o que é que ele já sabia 15 anos depois de Camarate. Nessa altura, a TVI divulgou uma primeira confissão de Farinha Simões onde este já falava no nome do major Canto e Castro. Miguel Ganhão Pereira relacionou depois os militares com Camarate e o tráfico de armas durante a guerra Irão-Iraque. Constate-se ainda que o então Presidente da Assembleia-Geral da ONU, Freitas do Amaral, ao contrário do jornalista da TVI, não achava ainda oportuno dizer publicamente o que diz hoje, ou seja, que suspeitava que o negócio do tráfico de armas para a guerra Irão-Iraque estaria por detrás do atentado de Camarate.»
Texto de José Esteves

fonte Zita Paiva

Partilhe este artigo

Portugal Glorioso 124 400 gostos
pessoas partilharam isto
Post Anterior
Prev Post
Post Seguinte
Next Post
Comentários Facebook
0 Comentários Blogger

0 comentários

Enviar um comentário