Posts do momento

Que os partidos não sirvam mais de educadores da “classe política”

0 0

´
Aviário de ministros



Pedro Passos Coelho teve uma carreira típica. Entrou muito cedo na JSD, à força de trabalho e zelo conseguiu chegar a presidente dessa inconcebível organização e, através dela, entrou no Parlamento.

Quando saiu aos 35 anos, sem outra qualificação que não fosse o liceu, foi obrigado a começar uma vida normal: resolveu tirar um curso de Economia e, como entretanto se casara, arranjar um emprego. Por essa altura, jantei com ele meia dúzia de vezes, por sugestão de um amigo comum, Eduardo Azevedo Soares. Achei Passos Coelho um homem agradável e sensato, mas transparentemente inseguro. Também se via que o dinheiro não lhe sobrava e o futuro era para ele obscuro e, de maneira geral, pouco prometedor. Não acredito que naquele tempo lhe passasse pela cabeça chegar a primeiro-ministro.

Como ele, houve centenas de pessoas que, por causa de uma educação perversa nas “juventudes partidárias”, entraram na meia-idade (os 35 anos de que fala Dante) sem um passado profissional e com uma visão do mundo distorcida pela incessante intriga a que se reduzia a actividade interna do PS e do PSD e em que participavam de pleno direito e, às vezes, como personagens maiores. Pior ainda, esta espécie de currículo dava uma certa autoridade a gente a quem faltava qualquer outra. Não vale a pena falar de António José Seguro. Mas basta lembrar que António Costa proclama por aí com orgulho que se inscreveu no PS aos 14 anos, para se perceber a natureza da aberração que os partidos promovem, julgando manifestar a sua perenidade e a sua força. Como se a perenidade e a força consistissem em enganar inocentes, abaixo da idade do consentimento político.

A condição dos membros das várias “juventudes” dos partidos (que vão até aos 30 anos) acaba por ser uma condição de relativa irresponsabilidade, sobretudo para aqueles que exercem cargos no “aparelho”. Os deveres para com a sociedade e o Estado são obscurecidos pelas pequenas lutas domésticas pelo poder e pela grande questão de saber se a seita consegue ou não ocupar o governo e o Estado – fonte de favores, recompensas, influência e dinheiro. Este mundo fechado sobre si próprio não se importa muito com o mundo exterior e não exige um comportamento cívico exemplar. Pelo contrário, tolera uma imensa quantidade de “erros”, por assim dizer, em nome do interesse superior da facção. Do incidente fiscal de Pedro Passos Coelho só uma coisa se deve concluir: as “juventudes partidárias” precisam de ser abolidas, como primeiro acto para a regeneração do regime. Os jovens que se inscrevam onde quiserem na idade de votar e que sejam tratados como o militante comum. Que os partidos não sirvam mais de educadores da “classe política” e aviário de ministros. Basta o que basta.

VASCO PULIDO VALENTE

Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Próximo Post
Next Post
0 Comentários Blogger
Comentários Facebook

0 comentários blogger

Enviar um comentário