Posts do momento

Macedo só não é arguido por ter imunidade parlamentar

0 0
Ex-ministro da Administração Interna terá cometido, segundo um acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, um crime de prevaricação, tendo “favorecido os interesses privados”. Só não é arguido nem foi chamado a tribunal por ter imunidade parlamentar.


O ex-ministro da Administração Interna Miguel Macedo é “o único responsável político” com “directa participação nos factos e com condições susceptíveis de ter cometido um crime de prevaricação no caso dos vistos gold”. As conclusões são de um acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa que o “i” noticia esta quinta-feira.
O Tribunal da Relação não tem dúvidas de que o crime se consumou na esfera do ministro, e para os procuradores e juízes, Macedo deu uma ordem ilegal que violou os procedimentos sem atentar ao interesse público e juntamente com Manuel Palos, ex-director do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), favoreceu os “interesses privados lucrativos” de António Figueiredo, director do Instituto de Registos e Notariado, e de Jaime Gomes, seu antigo sócio.
Segundo o mesmo acórdão há relatos de telefonemas feitos por Miguel Macedo ou em que o seu nome é referido, registos de encontros, almoços, conversas, viagens e até presentes oferecidos ao ministro por um cidadão chinês envolvido no esquema.

Ao “i”, o ex-ministro da Administração Interna disse que não conhece “o acórdão nem a situação, mas está disponível para esclarecer tudo o que a justiça entender que deve ser esclarecido”.
RR

Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Próximo Post
Next Post
comentários blogger
comentários facebook

0 comentários blogger

Enviar um comentário