Posts do momento

Banco de Portugal gastou mais de 2 M€ em carros de alta cilindrada

2 2




O Banco de Portugal já gastou 2,1 milhões de euros (mais IVA) na aquisição de automóveis novos para os seus colaboradores desde 2011. Este é o valor global dos 54 contratos publicados pelo banco central no portal Base durante este período.

Só este ano o banco central celebrou oito contratos pelo valor global de 278,3 mil euros (mais IVA). Em todo o ano de 2014, foram 21 contratos pelo montante total de 705,8 mil euros.

O contrato mais elevado (40,2 mil euros) foi assinado com a empresa Cameirinha – Comércio de Automóveis L.da, mas o principal fornecedor foi a Caetano Baviera – Comércio de Automóveis, S.A., do grupo Salvador Caetano, concessionário da BMW, com quatro contratos no montante total de 149,6 mil euros.

Questionado pelo i, o porta- -voz do Banco de Portugal justificou esta despesa da seguinte forma: “Relativamente à frota do Banco de Portugal, está sujeita a um processo de gestão interna de aquisição e utilização de viaturas. É política do Banco proceder à renovação gradual da frota, que totaliza 99 viaturas, sempre que as mesmas deixam de reunir condições de segurança e funcionalidade.”

A mesma fonte revelou ainda que “no período em causa, isto é, desde 2011, foram adquiridas 29 viaturas por nomeações para cargos directivos e 30 viaturas para renovação da frota, de acordo com a política implementada na instituição”. “As viaturas ao serviço do conselho de administração têm uma idade média de dez anos”, acrescentou.

31 milhões só em 2015.
De acordo com a pesquisa do i a todos os 148 contratos publicados no portal Base desde o início do ano, a instituição liderada por Carlos Costa já gastou 31 milhões de euros na aquisição de todo o tipo de bens e serviços.

O montante já ultrapassa o valor de todos os gastos efectuados em 2014, que atingiram os 26,9 milhões de euros.
Do total das despesas realizadas este ano, 21,3 milhões de euros dizem respeito só a consultoria financeira, jurídica e outras (exceptuando a relativa a sistemas de informação).

15 milhões por ajuste directo Só 15 milhões são referentes a um único contrato, de 15 milhões de euros por ajuste directo, para a consultoria e assessoria ao processo de venda do Novo Banco. O contrato assinado com o BNP Paribas foi assinado em Abril de 2015 e prevê uma remuneração periódica fixa de 250 mil euros mensais. Além deste pagamento fixo, está ainda prevista uma success fee (remuneração pelo sucesso) que pode ir até 10 milhões de euros, associada ao processo de alienação do Novo Banco.

O contrato tem uma duração máxima de dois anos, mas começou a produzir efeitos a 26 de Julho de 2014, ou seja, uma semana antes de estar decidido o processo de resolução do Banco Espírito Santo (BES).

Em Novembro de 2014, Carlos Costa explicou que, assim que o Banco de Portugal teve conhecimento dos valores preliminares dos prejuízos semestrais do banco, a 25 de Julho, começou a “busca imediata de solução de capitalização do BES, desejavelmente com recurso a investidores privados – plano A”. Os planos B passaram pela preparação de cenários de contingência, incluindo nacionalização, liquidação e a resolução. “A data da produção de efeitos do contrato com o BNP Paribas é explicada pela ‘preparação de cenários de contingência – plano B –, caso a opção de capitalização privada se revelasse inexequível em tempo útil’, como explicou o governador na comissão parlamentar de inquérito em Novembro de 2014”, esclareceu ainda o porta-voz do supervisor bancário ao Observador em Maio.

Entre os restantes contratos destaque ainda para os 2,2 milhões que o banco central gastou na aquisição e na manutenção de licenças de software. O contrato foi assinado, após concurso público, com a empresa Digitmarket – Sistemas de Informação, S.A., e tem um prazo de três anos.

Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Próximo Post
Next Post
2 Comentários Blogger
Comentários Facebook

2 comentários blogger

  1. O regabofe continua.
    Depois do sacrifício que este povo tem feito, continua e continuará por muitos mais anos a fazer para endireitar este país, depois de pagarmos os roubos dos políticos e da quadrilha de malfeitores que gravitam à sua volta, depois de toda a informação que tem vindo a publico acerca da podridão que é a nossa classe politica, eles - os políticos – que arruinaram o país, continuam a actuar com o mesmo sentido de impunidade, sem vergonha na cara, como se fosse deles o direito de viver luxuosamente à nossa conta e fosse a nossa a obrigação de pagar e calar para sustentar esta corja de malfeitores.
    Para eles - os políticos - não existe aquela coisa chamada "dever patriótico", isso só aparece nos discursos de ocasião e nos artigos de jornal encomendados aos amigalhaços, para eles - os políticos - só há um objectivo; enriquecer com os cargos políticos.
    Assaltar por todos os meios possíveis o orçamento do estado, ou seja o dinheiro dos nossos impostos; é a única coisa em que estão todos de acordo.
    Se Portugal é um corpo os políticos Portuguese são um cancro:
    Desenvolvem-se entre as células sãs, enganando o sistema imunitário fazendo-o crer que são parte do sistema, crescem desmesuradamente, e consomem o corpo do país; retiram-lhe a vitalidade, deixam o corpo débil. E se por acaso um qualquer tratamento consegue combater a doença com sucesso, essas células cancerígenas não abandonam o corpo sem antes deixarem metástases espalhadas pelo corpo inteiro para prepararem o seu regresso com ainda maior força que antes.
    Todos nós sabemos qual costuma ser o desfecho de quem padece de tão horrível doença.

    ResponderEliminar
  2. Não há uma fiscalização que meta todos aqueles que estão a enterrar o pais presos pois há denuncias mas as provas isto esta um caos e vai ficar pior

    ResponderEliminar