Posts do momento

«Uma vitória da Liberdade de Expressão» Paulo Morais

0 0


Sentença histórica.

Sócrates perdeu uma das acções cíveis que meteu contra o CM.

O juiz Rocha Capacete absolveu os jornalistas do CM de qualquer pedido de indemnização, mas foi mais longe. Validou com grande clareza o interesse público perseguido pelo CM na investigação jornalística.

Apontou Sócrates como um inequívoco "alvo de enorme interesse público" e, por isso, sujeito ao "permanente escrutínio da opinião pública, ao comentário e à investigação jornalística". Diz que tudo isso deve ser feito sem receio de processos nem autocensura.

Uma sentença histórica e um exemplo de que ainda há na magistratura quem saiba dar o devido valor à liberdade de imprensa.

Eduardo Dâmaso
__

O juiz conclui que Sócrates “não fez tal prova”, nem sequer alegou isso mesmo no processo que intentou contra 14 jornalistas do Correio da Manhã e contra a empresa dona do diário. E, portanto, julga a acção improcedente, absolvendo todos os visados.

A maioria dos artigos em causa dizia respeito à incompatibilidade da vida de “luxo” que Sócrates mantinha em Paris com os seus rendimentos declarados e às irregularidades na sua licenciatura na Universidade Independente. Relativamente aos gastos de Sócrates em Paris, o juiz dá como provado que o ex-primeiro-ministro gastava mensalmente 10 mil euros – valor assumido pelo próprio Sócrates - e não os 15 mil euros estimados pelo Correio da Manhã.

A sentença dá, no entanto, como provado que Sócrates gastava sete mil euros com a renda da habitação e faz questão de referir que foi solicitada, por várias vezes, ao antigo governante a entrega do contrato de arrendamento e dos recibos, elementos que este se recusou a entregar ao tribunal.

Numa decisão com 117 páginas, o juiz faz questão de frisar que, neste caso, existe um conflito entre os direitos fundamentais ao bom nome e à honra e a liberdade de expressão, na sua dimensão de liberdade de informação, ambos com tutela constitucional. José Rocha Capacete realça que a jurisprudência do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem entende que “deve, tendencialmente, dar-se prevalência à liberdade de expressão”, essencialmente quando estão em causa figuras públicas.

publico

Partilhe este artigo

Portugal Glorioso 124 400 gostos
pessoas partilharam isto
Post Anterior
Prev Post
Post Seguinte
Next Post
comentários FB
0 comentários Blog

0 comentários

Enviar um comentário