Posts do momento

«Não temos condições para salvar mais bancos. O país está a esvair-se» Raquel Varela

0 0



Este ano já salvámos 2 bancos e ainda o ano vai a meio. Desde 2008 foram colocadas na banca privada e privada-pública o equivalente a perto de 1/3 do PIB.

Metade dos activos da banca mundial eram «sombra» em 2012, segundo o próprio G20.

Não são os Estados que dependem dos mercados, são os mercados que dependem dos Estados. Um Banco nunca faliu por falta de pagamento do Estado, os Estados estão a falir por pagar a Banca falida.

O SNS, as escolas, a justiça, o bem público está em causa.

A ideia de que não há escolhas face ao colapso do sistema bancário é no mínimo estranha. Outra premissa por provar é que a Caixa é um banco público. É? Depende. A parte que está a ser recapitalizada é, com nome e morada, a parte de negócios privados. Há várias formas de resolver a semi falência da Caixa - e há outras que estão por inventar.

Os seres humanos caracterizam-se pela invenção de resolução das questões colectivas e individuais e não pelo mimetismo sistemático do passado - se assim fosse estávamos a recolher bagas na floresta em vez de andar em aviões.

A Caixa não deve ser recapitalizada, na minha opinião - porque isso vai elevar a dívida e os cortes no Estado Social para a pagar - deve haver expropriação de activos de todos os bancos salvos, aliás prevista na lei, e ser criado um banco público sob controlo público, que não é o mesmo que um banco público de gestores partidários para fazer negócios privados, garantidos por impostos gerais. Devem ser garantidos os depósitos individuais - até um valor médio, porventura 50 mil euros -e o resto falir, começar de novo. Estou convencida de que não há outra forma de salvar o país.

Raquel Varela
Historiadora. Investigadora do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova.

Partilhe este artigo

Portugal Glorioso 124 400 gostos
pessoas partilharam isto
Post Anterior
Prev Post
Post Seguinte
Next Post
Comentários Facebook
0 Comentários Blogger

0 comentários

Enviar um comentário