Posts do momento

Paulo Morais: Em vez de andar a pagar fogos, o estado deveria premiar a sua inexistência

0 0


NOVA POLÍTICA DE COMBATE A FOGOS.

A defesa do território português deve ser uma prioridade de todos e, no que diz respeito aos incêndios florestais, só será possível debelar esta série de calamidades com uma efectiva política de prevenção, que deveria envolver as forças armadas e de segurança, bem como os serviços do inútil Ministério da Agricultura.

Claro que, em primeira instância, a gestão destes processos competiria aos corpos de bombeiros, cujo desempenho seria avaliado e remunerado em função das áreas que mantivessem livres de incêndios e nunca, como hoje, pelo número de horas de combate. Em vez de andar a pagar fogos, o estado deveria, pelo contrário, premiar a sua inexistência. A origem primeira dos fogos florestais não está na escassez de meios para o seu combate, mas na falta de prevenção, na ausência de um programa nacional de manutenção das matas.

Como se financiaria o sistema?
Desde logo, com o que já se gasta nas campanhas de combate a incêndios, que incentivam os próprios incêndios, ao enriquecerem as empresas que se alimentam deste negócio. A que deveria acrescer a receita obtida com a comercialização da biomassa resultante da limpeza das matas. E também os lucros que o estado português teria com o acréscimo de absorção de carbono pela floresta, aumentando assim as contrapartidas nacionais no mercado mundial de emissões de carbono.
Por último, com uma parte do imposto sobre os combustíveis. Pois é à floresta, que absorve parte da poluição produzida, que devem ser consignados os impostos de quem polui, como consagra o princípio do poluidor pagador.

in Paulo de Morais,
JANELA DO FUTURO

Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Próximo Post
Next Post
0 Comentários Blogger
Comentários Facebook

0 comentários blogger

Enviar um comentário