Posts do momento

Cuba não é uma conta de Instagram. Cuba é uma ditadura

0 0


Repitam comigo: Fidel era um di-ta-dor


A falta de amor que este país tem à liberdade nunca cessará de me espantar. Foram demasiados os obituários e os comentários a propósito da morte de Fidel Castro que me fizeram ter vergonha do país em que vivo. Do PCP, a este respeito, ninguém espera nada. Mas receber uma newsletter da revista Visão com o título “Hasta Siempre Comandante Fidel”, certamente escrita – vamos ser optimistas – com a inconsciência própria de quem olha para Cuba como uma photo opportunity, com os seus carros anos 50, as cores garridas e os charutos, não cabe na cabeça de ninguém. Cuba não é uma conta de Instagram. Cuba é uma ditadura. Defender Fidel, romantizar Fidel, mitificar Fidel, é defender, romantizar e mitificar um ditador, que condenou milhares de pessoas à morte directa por fuzilamento e à morte indirecta por afogamento no Estreito da Flórida.


Não há meio-termo nisto. Essa conversa de que “a História o há-de julgar”, ou de que “para uns morreu um ditador, para outros um herói”, só pode dar a volta a qualquer estômago democrático. Desde quando é que Fidel Castro ser um ditador passou a questão de opinião? Fidel Castro só deixará de ser um ditador quando a definição de ditadura for alterada nos dicionários. Cuba é um regime onde todos os poderes do Estado estão concentrados num partido; esse partido não admite a oposição livre às suas ideias – “pela Revolução, tudo; contra a Revolução, nada!” –; o partido e o seu presidente possuem poder e autoridade absolutos; não existe democracia; a liberdade de circulação é limitada; existem presos políticos e houve pelotões de fuzilamento que trataram de eliminar qualquer resquício de resistência nos anos quentes da revolução. Che Guevara admitiu-o na ONU, em 1964 (há imagens): “Sim, fuzilámos, e continuaremos a fuzilar enquanto for necessário.” Se isto não é uma ditadura, é o quê?

A gente já sabe que um ditador de direita é um fascista, enquanto um ditador de esquerda é um revolucionário bem-intencionado a quem as coisas correram mal. Mas, pelo menos, digam a palavra: di-ta-dor. Com certeza que Fidel Castro pode ser considerado um ditador heróico pelos seus admiradores, e encaixar na categoria do déspota iluminado. Mas digam o raio da palavra: di-ta-dor. E admitam que estão a defender um di-ta-dor. Aquilo que não se suporta são os textos sonsos, como aquele que Francisco Louçã escreveu neste jornal, afirmando que “Fidel sai da vida como um vencedor”. Sim, Louçã admite que o senhor “manteve um regime de partido único”. Mas depois lá vem o velho “mas”, que tudo suaviza, tudo compreende, tudo desculpa: “mas”, diz Louçã, “ao contrário da história trágica da URSS, permitiu e até estimulou formas de diversidade cultural”, como os “livros de Leonardo Padura”. Bravo! Eis uma frase que poderia ser aplicada, sem tirar nem pôr, a Oliveira Salazar, ou não fosse o neorrealismo o movimento literário mais marcante do Estado Novo. Porque não começar também a elogiar Salazar ou Pinochet, que mataram menos gente e deixaram os seus países mais desenvolvidos?

Um ditador é um ditador é um ditador é um ditador. Só que Louçã nunca usa a palavra no seu texto. Tal como nunca usa uma outra: liberdade. Lamento: qualquer pessoa que defenda Fidel e o seu legado é uma pessoa capaz, em certas circunstâncias, de desprezar a democracia. Serem tantos a fazê-lo, no Portugal de 2016, é uma tristeza enorme. Mas não desesperemos. Fidel morreu a 25 de Novembro, o que só pode ser visto como um sinal dos céus.

JOÃO MIGUEL TAVARES
publico

Partilhe este artigo

Portugal Glorioso 125 480 gostos
pessoas partilharam isto
Post Anterior
Prev Post
Post Seguinte
Next Post
comentários
0 comentários

0 comentários blogger

Enviar um comentário