Posts do momento

Quem fica tranquilo a ouvir isto?

0 0  ● API


O Sheik Munir, o Islão e o atentado de Manchester.


O Sheik David Munir, Imã da Mesquita Central de Lisboa, concedeu um depoimento à Rádio Renascença esta terça-feira, no dia seguinte ao atentado de Manchester em que Salman Abedi se fez explodir à saída de um concerto pop, matando 22 pessoas, entre as quais crianças e adolescentes, e ferindo 64, várias delas em estado gravíssimo. Raras vezes um depoimento deste tipo me provocou um sentimento de irrealidade e de desconforto como as palavras do Sheik Munir. Não que o Sheik Munir tivesse feito qualquer apologia do atentado, muito longe disso. Pura e simplesmente, havia ali uma distância em relação à coisa e uma generalidade e abstracção dos propósitos que gelava a espinha.

Vejamos o que disse o Sheik Munir, seguindo-o passo a passo. Em primeiro lugar, que a religião dele o obriga a respeitar os outros, tal como os outros devem aprender a respeitar os muçulmanos. É claro, inteiramente de acordo. Mas a introdução da exigência de reciprocidade no dia seguinte a este último atentado é, no mínimo, desajeitada. É como se não houvesse razão para qualquer mal-estar particular e o contexto fosse absolutamente normal.
(...)
Este auto-centramento completa-se, como seria de esperar, por uma crítica aos não-muçulmanos. Houve sempre pessoas que viram o Islão de uma forma negativa, como uma religião do terror. A exigência da reciprocidade desdobra-se assim, logo no dia consecutivo ao atentado, na crítica aos preconceitos alheios. Sem, repito, sequer umas palavrinhas prévias onde se exprima qualquer piedade para com as vítimas.

Neste momento, o Sheik Munir, reflectindo sobre as origens do tal preconceito, concede que alguns muçulmanos contribuíram para que isso acontecesse. Eis uma saudável e prometedora admissão da realidade, se bem que não exija uma clarividência por aí além.
(...)
Mas a esperança dura pouco. Porque a tal condenação “visível” visa, antes de tudo o mais, fazer com que as pessoas não tenham “medo do medo”. Não vale verdadeiramente a pena perder tempo a esmiuçar o significado desse tal “medo do medo”, porque a intenção que preside à sua menção é clara: voar em direcção ao abstracto e ao genérico, de modo a evitar qualquer referência ao concreto. A condenação não aparece como a condenação do massacre, da morte e do esquartejamento de inocentes adolescentes. É uma condenação abstracta de um sentimento abstracto. Mais uma vez, as vítimas não estão ali.
(...)
Depois de ouvir este depoimento, confesso que saí dele igualmente preocupado com o Sheik Munir. Imagino, e quero imaginar, que a muito reduzida comunidade muçulmana portuguesa (cerca de 50.000 pessoas, creio) seja tão pacífica quanto possível. Mas nos tempos em que vivemos o que se pede antes de tudo aos líderes religiosos dessas comunidades são condenações concretas dos crimes que em nome do Islão são perpetrados, o que implica o exercício, eventualmente penoso mas necessário, de assumir a partilha de uma religião comum com aqueles que são fautores desses crimes. Para, é claro, depois se demarcarem da interpretação corânica dos criminosos. Só assim a tal reciprocidade no respeito que o Sheik Munir reivindica pode ser vivida de forma limpa e plena.

Ora, o depoimento do Sheik Munir vai num sentido que é o exacto oposto disto. A quente, logo a seguir ao atentado de Manchester, começa, sem qualquer referência às vítimas, por exigir reciprocidade no respeito. Critica os preconceitos contra os muçulmanos. Decreta, contra toda a evidência, a completa inocência do Islão, quer dizer: a completa ausência de relações entre o Islão e as motivações dos terroristas. As referências aos crimes reais são substituídas pela abstracta menção ao medo. Os assassinos são acusados de uma loucura difusa sem nenhum traço particular que a identifique. A comunidade islâmica não tem qualquer obrigação maior do que o resto dos cidadãos de condenação firme, inequívoca e muito concreta da barbárie que em seu nome é levada a cabo. Pudera: a ouvir o depoimento do Sheik Munir, os terroristas podiam perfeitamente ser marcianos. Quem fica tranquilo a ouvir isto?
Paulo Tunhas, Observador

Partilhe este artigo

Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post
comentários
0 comentários

0 comentários blogger

Enviar um comentário