Posts do momento

As brigadas da inquisição

0 0
Há dias, Ricardo Araújo Pereira usou a palavra “mariconço” e as brigadas da inquisição tentaram a perseguição. A resposta do humorista foi clara: não há ninguém acima da crítica, do escárnio, do gozo; todos os grupos podem e devem ser gozados, criticados, achincalhados.

Todos os dias (mas mesmo todos os dias) os católicos são descritos através de termos como “beato” - e "beato” é o termo mais delicado da paleta. Porque é que o católico não tem direito a estas ondas de indignação que procuram calar, proibir, criminalizar? Porque é que o homossexual não pode ser gozado com uma palavra inofensiva como “mariconço”? Porque é que não se pode falar de homossexuais fora dos termos impostos pelos autoproclamados donos da homossexualidade? Onde é que está escrito que o homossexual é o novo e intocável aristocrata do espaço público? Lamento, mas este sangue azul LGBT não é superior à minha liberdade.


Henrique Raposo (expresso)
****
Actualização: Andaram a fazer queixinhas deste post. Obrigado aos delatores.
atentamente
PG

Partilhe este artigo

Anterior
Prev Post
Seguinte
Next Post
comentários
0 comentários

0 comentários blogger

Enviar um comentário