Duquesa de Palmela - Portugal Glorioso

Duquesa de Palmela

1 1  ● API

Sociedade Promotora das Cozinhas Económicas


A terceira duquesa de Palmela, de seu nome completo; Maria Luísa Domingues Eugénia Ana Filomena Josefa Antónia Francisca Xavier Sales de Borja de Assis Paula de Sousa Holstein Beck, era também terceira marquesa do Faial e terceira condessa do Calhariz e de Sanfrè.


A 3ª duquesa de Palmela, Maria Luísa de Sousa Holstein, 1909, foto de Joshua Benoliel, in a.f. CML.

Maria Amália Vaz de Carvalho fala dos cabelos loiros da sua amiga Maria Luísa que tinham sido de um "loiro da Escandinávia", pátria dos remotos avós”. É a referência ao sangue no norueguês que lhe corria nas veias.

Tinha a duquesa olhos azuis e um rosto de uma serenidade patente nos quadros e fotografias que dela conhecemos, tanto nos seus anos de juventude, como nos últimos anos da sua vida. Se Maria Luísa de Sousa Holstein Beck foi no seu tempo a mais famosa duquesa, isso deveu-se à sua personalidade invulgar, ao seu talento como escultura e à sua sincera e constante devoção aos pobres e desprotegidos.

Artista, era amiga dos artistas, auxiliando-os não apenas com o seu dinheiro mas também com o seu afecto, a sua solidariedade amiga, a aura que lhes criava. Para a 3ª duquesa de Palmela, «cada pobre tem sobeja razão de reclamar contra as iniquidades com que o mundo o oprime e de reivindicar um estado de ordem mais perfeito». Partindo desta ideia, Maria Luísa decidiu criar em Lisboa a instituição que foi a «Sociedade Promotora das Cozinhas Económicas»

REFEIÇÃO POR 90 RÉIS
A primeira refeição constou de uma tigela de sopa de grão com arroz, bacalhau guisado, 200 gramas de pão e 2 decilitros de vinho - tudo por 90 reis. Nos outros dias, o vinho não estava incluído.


Cozinha económica, n.º 6, na Rua de S. Bento, s/d, foto de Machado & Souza, in a.f. CML.

O próprio rei D. Carlos mandava grande parte do produto das suas caçadas em Mafra e Vila Viçosa para se confeccionarem as refeições nas «Cozinhas Económicas» e os excedentes das pescarias levadas a efeito no iate real “Amélia” tinham o mesmo destino, diz-nos Rocha Martins.

Na Cozinha Económica, instalada junto ao seu palácio, servia a duquesa refeições a duzentas crianças, todos os dias. Um dia o conde de Sabugosa com curiosidade de ver a última escultura da duquesa, esperou-a, no seu atelier, junto ao jardim de sua casa. Conversaram e o conde, comentando a sua generosidade chamou-lhe «socialista», termo que na época tinha uma conotação um pouco diferente da de hoje.

A conversa prosseguiu e Maria Luísa acrescentou: «Também eu sou socialista, mas o socialismo que me encanta e atrai é o do conde Tolstoi, que percorria as estepes da Rússia atirando com mãos generosas a sua fortuna aos que morriam de fome e de frio nas cabanas afogadas de neve”. É assim que eu compreendo a missão dos ricos, eles são no mundo os depositários dos bens que pertencem aos deserdados.

Só a justa distribuição pode trazer a igualdade pregada por S. Paulo.» «O supérfluo dos ricos é o património dos pobres». Frase que a 3ª duquesa dizia e cumpriu na sua vida. A Sociedade Promotora das Cozinhas Económicas” iria continuar depois da morte da duquesa, em 1909. Contava 68 anos. Esta instituição viria a ser conhecida pela «sopa do Sidónio», a partir do ano de 1918.

Os tempos da guerra (1914-1918) trouxeram a miséria a muitas famílias portuguesas e conta-se que era o próprio Sidónio Pais (que foi Presidente da República entre 1917 e 1918 e morreu assassinado) e um filho que, de noite, iam fornecer as Cozinhas Económicas para que, ao menos, a sopa não faltasse aos mais pobres.

Estas Cozinhas passam, anos mais tarde, para as Misericórdias de Lisboa.

Para lá desta obra de assistência, Maria Luísa de Sousa Holstein ficou ligada a grande número de outras iniciativas como o Instituto de Socorros a Náufragos, o Hospital do Rego, a Assistência Nacional aos Tuberculosos, criado pela rainha D. Amélia, entre outras.

As suas mãos de artista moldaram o barro e esculpiram o mármore com uma delicadeza e frescura únicas e que ficaram patentes em significativo número de obras, desde “Diógenes”, fundido em bronze, que foi exposto no Salon de Paris em 1884, passando por “Santa Teresa”, premiada no Salon de 1886, “Pretinha”, “Sulamite”, “Alegria” ou o “Fiat Lux”, oferecido a D. António de Lencastre, médico do Paço, e outras esculturas, expostas em museus, embora grande parte pertença a colecções particulares ou a amigos e familiares da duquesa.

Ao Museu Nacional de Belas Artes foi oferecido o “Génio do Progresso da Medicina” em bronze. Em 1901, e em anos seguintes a duquesa de Palmela, vai expor na Sociedade Nacional de Belas Artes e em Paris e terá participado pela última vez no Rio de Janeiro em 1908.

Em 1903 a duquesa de Palmela fora recebida como a Primeira Mulher Académica de Mérito da Academia Real de Belas Artes de Lisboa. Com Josefa Brito do Rio, condessa de Ficalho, vai criar aquela que foi a célebre “Fábrica do Ratinho".

Quem hoje possui peças de cerâmica dessa oficina pode ver o símbolo do “ratinho” e sentir-se feliz por possuir uma peça muito rara e muito valiosa, pois a produção não foi grande. Camareira da rainha D. Amélia de Bragança, a duquesa de Palmela encontrava-se no Palácio das Necessidades no dia seguinte ao do regicídio (assassinato do rei D. Carlos e do filho Luís Filipe). Após a reunião do Conselho de Estado, aproximou-se do ministro João Franco e discretamente perguntou-lhe: «Isto é o fim da Monarquia, não é, conselheiro?» como a adivinhar a resposta.

Maria Luísa de Sousa Holstein era uma senhora de grande cultura. Estudara em França, como se disse e conhecia vários países, privava com embaixadores, falando-lhes normalmente na língua deles.

Interessada por tudo o que a rodeava, estava sempre bem informada, parece até que o seu telefone foi, logo a seguir ao do Palácio da Ajuda, um dos primeiros a ser instalado em Lisboa.


Funeral de Maria Luísa de Sousa Holstein

A 3ª duquesa de Palmela morreu na sua quinta de São Sebastião, em Sintra. «A nota culminante e comoventíssima do seu enterro foi dada pelo povo, pelos velhos que mal podiam andar, pelas pobres mulheres de xaile e lenço, com os filhos ao colo, por toda aquela multidão saída não se sabia de onde, e que a ia acompanhando, a pé, levando muitos os seus humildes ramos de flores - todos, as flores que mais eloquentes pareciam à alma gentilíssima da Duquesa de Palmela - lágrimas, muitas lágrimas nos olhos» (Olga de Morais Sarmento).

Fonte: O Leme. Imagens: https://paixaoporlisboa.blogs.sapo.pt

Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Post Seguinte
Next Post
Comentários
1 Comentários

1 comentários blogger

  1. O BICHINHO DE CONTA

    Se bem que a 3ª duquesa de Palmela tenha por si só uma personalidade fascinante e talento suficiente para ficar na memória de todos, é difícil não falarmos dos seus antepassados. É o caso da sua bisavó que ficou na História de Portugal conhecida pelo “O Bichinho de Conta”.
    Isabel Juliana de Sousa Coutinho Monteiro Paim era amiga, desde pequena, de Alexandre de Sousa Holstein com quem sempre brincara na quinta do Calhariz. Com o passar dos tempos, eram mais do que amigos e nunca duvidaram, que seriam, um dia, marido e mulher. Isabel perdera a mãe ainda criança e o pai passava a vida em Paris, gozando a sua viuvez, dado aos prazeres da vida, que aproveitava, na sua condição de embaixador de Portugal em França.
    Mas na corte do rei D. José I o, então conde de Oeiras, depois marquês de Pombal, Sebastião José de Carvalho e Melo, sabendo que Isabel Paim era herdeira de uma grande fortuna e de um ainda mais honroso nome de família, que entroncava em Tomás Paim, fidalgo inglês que viera no séquito de D. Filipa de Lencastre, como secretário da futura rainha de Portugal, tratou de combinar o casamento daquela menina de quinze anos com o seu segundo filho, José Francisco, que contava catorze.
    O pai da noiva, Vicente Paim não viu qualquer inconveniente no casamento e combina-se o enlace. Só que ninguém pensou que Isabel podia ter opinião contrária. Uma menina daquela idade “não tem querer” dizia-se. Obedecia ao pai e mais nada. Mas Isabel opôs-se obstinadamente: «Que nunca casaria com outro que não o seu amigo de infância Alexandre.»
    Mas o pai e o marquês obrigaram-na a casar. E numa cerimónia que teve de ser íntima, e que foi presidida pelo próprio irmão do futuro marquês de Pombal, em 11 de Abril de 1768, Isabel Juliana vê-se “casada” com um rapaz que detestava, não só por ser filho de quem era, mas porque o seu marido só podia ser o seu Alexandre, que entretanto fora com a mãe viver para o Piemonte (Itália), não fosse Sebastião José de Carvalho e Melo tomar alguma das suas despóticas atitudes.
    Realmente, o casamento realizou-se mas não se consumou, porque a noiva não permitiu que o noivo lhe tocasse. Aquela menina de cabelos negros aos canudos, de cara magra e nariz fino, tinha um queixo voluntarioso e iria fazer frente ao noivo, ao pai, às tias e ao aterrador conde de Oeiras, que, de início pensou tratar-se de um capricho de uma menina rica, mas que com o passar dos meses percebeu que o assunto era sério.

    ResponderEliminar