Posts do momento

A política nunca percebeu que a nossa alma é bem maior que o nosso chão

0 0


Ganhar a diáspora.

A emigração portuguesa não pára de crescer. Só nos últimos quatro anos emigraram 500 mil. Em todas as famílias há hoje, pelo menos, um emigrante. E, no entanto, o Estado não tem resposta adequada para o acompanhamento dos portugueses da diáspora. A nível do governo, os emigrantes são da responsabilidade do Ministro dos Negócios Estrangeiros! Há ainda quatro deputados para representar cerca de cinco milhões, um terço dos portugueses, o que é absurdo. E o Corpo Diplomático e Consular, que deveria apoiar as Comunidades, por regra ignora-as.

A um país com um terço da sua população expatriada exigir-se-ia uma rede consular capaz. Esta deveria consistir em pequenas lojas ou balcões de cidadão onde cada compatriota pudesse tratar de forma expedita de todos os assuntos respeitantes com a administração do seu país. A par destes serviços, e junto deles, deveriam existir escolas de português para divulgação da língua e da cultura pátria. Seria uma questão de preservação cultural do País, junto das famílias dos portugueses e de todos os lusodescendentes. Estas escolas seriam, aliás, maioritariamente rentáveis. Nos casos em que tal se justificasse, pela dimensão local das comunidades, poderia haver escolas com ensino integral em português. É este, aliás, o modelo doutros países, nomeadamente da ‘Alliance Française’ e da rede de liceus franceses.

Com que meios se implementaria este sistema? Com aqueles de que o Estado já dispõe: instalações de consulados e embaixadas, bem como os recursos humanos reforçados do Instituto Camões. Deveria ser peça fundamental nesta estratégia um serviço público de televisão, da responsabilidade da RTP, que permitisse uma ligação permanente a Portugal; bem diferente do que hoje é a maçadora programação da RTP Internacional e RTP África.

Agostinho da Silva defendia que a característica mais marcante do povo português é a universalidade. Um potencial que o estado português jamais soube interpretar. E aproveitar. A política nunca percebeu que a nossa alma é bem maior que o nosso chão.

Paulo Morais
CM

Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Próximo Post
Next Post
0 Comentários Blogger
Comentários Facebook

0 comentários blogger

Enviar um comentário