Portugal Glorioso

A DGS já está maluca - Joana Amaral

 ● 24/05/20

Praias livres

Quase todos, abonados ou remediados, experimentavam o mesmo gozo num mergulho salgado ou no calor solar.

Prazer? Veraneio? Nem pensar.

A praia ainda é o divertimento mais democrático e universal. Claro que sempre subsistiram fraldas de mar queques e areais populares, mas as praias eram gratuitas e transversais. Quase todos, abonados ou remediados, experimentavam o mesmo gozo num mergulho salgado ou no calor solar.

Raptarem-nos o Verão em kafkianas e perigosas dezenas de páginas com infindáveis regras, é patético. Trata-se de ar livre, com brisa e salinidade. O mar é um anti-séptico excelente, o sol e fora-de-portas reforços da imunidade, do tecido social e do urgente recobro.

Pior: sequestrar praias é cavar o fosso entre ricos e pobres - quem tem acesso a piscinas privadas, por exemplo, nunca terá as férias tão arruinadas.

Semáforos e acrílicos quando precisamos de relançar o turismo? Praias não vigiadas interditas quando os portugueses já mostraram que respeitam novas regras?

Há quem diga que só se sairia disto morto ou louco. Certamente que a Direcção-Geral da Saúde (DGS) já está maluca e acredita que a pandemia é um castigo divino pelos nossos pecados, donde temos que os expiar e auto-punir. Prazer? Veraneio? Nem pensar.

Enfim, em vez de drones façam boas campanhas com regras claras. E deixem a malta relaxar. Depois, quem ainda tiver medo não vai à praia. Ponto final. Para o ano há mais.

Joana Amaral Dias
https://www.facebook.com/joanamaraldias/posts/3126568387394581
Ler mais

Que tipo de gente é esta? - Paulo Morais

Dois personagens com dupla personalidade = QUATRO personalidades.

Que tipo de gente é esta? - Paulo Morais

Na foto, QUATRO personalidades:
Isabel Jonet, Dirigente do Banco Alimentar, a promover a iniciativa do banco BPI "rede de emergência alimentar"; e Jonet, que também integra os órgãos sociais do BPI, a promover um peditório a favor do Banco Alimentar.

À sua esquerda, o Presidente da República, que diz que em Portugal se deu um milagre a lidar com a crise; e Marcelo, que diz que esse milagre produziu uma multidão de quatrocentos mil portugueses que não têm como se alimentar. Que tipo de gente é esta?

Paulo de Morais
Ler mais

«Uma Borla custa 20 milhões? Peço explicações!» Paulo Morais

 ● 23/05/20
Se as licenças são gratuitas, então o Governo está gastar dinheiro em quê? Peço explicações!

Peço explicações!» Paulo Morais
imagem: APDC. Edição PG

Uma Borla custa VINTE MILHÕES? As editoras Porto Editora e Leya anunciaram que disponibilizaram todos os conteúdos educativos digitais em ACESSO GRATUITO durante todo o período de quarentena.

Mas, em 15 de Maio, o Governo autorizou a despesa relativa à aquisição de licenças digitais de manuais, neste ano lectivo (2019/20), "até ao montante global 19.768.000 euros, ao qual acresce o IVA à taxa legal em vigor". (ver aqui)

Se as licenças são gratuitas, então o Governo está gastar dinheiro em quê? (vinte milhões de euros!!!). Peço explicações!

Paulo de Morais

Ler mais

Saiam, mas fiquem em casa! - Paulo Morais

 ● 21/05/20
Costa apela à permanência em casa e às saídas de casa. Acelera e trava, simultaneamente - um paradigma do político português.



SAIAM... MAS FIQUEM EM CASA!
No dia 16, António Costa apelou aos portugueses que regressassem à rua. E deu até o exemplo, indo às compras em família. Mas... no dia seguinte, dia 17, fez publicar a Resolução do Conselho de Ministros n.º 38/2020, que determina que

"Os cidadãos devem abster-se de circular em espaços e vias públicas, bem como em espaços e vias privadas equiparadas a vias públicas, e permanecer no respectivo domicílio, excepto para deslocações autorizadas".

Costa apela à permanência em casa e às saídas de casa. Defende tudo e o seu contrário. Acelera e trava, simultaneamente - um paradigma do político português. A sua sorte é que ninguém lê o Diário da República; e ao que parece, nem o próprio Primeiro-Ministro o lê, nem sequer os textos pelos quais é responsável.

Paulo de Morais
Ler mais

É que não faltava mais nada. Centeno passar directo a governador do Banco Portugal?!

É que não faltava mais nada. Centeno passar directo de ministro das finanças a governador do Banco Portugal?! (Joana Amaral Dias)



É que não faltava mais nada. Centeno passar directo de ministro das finanças a governador do Banco de Portugal, de fazer contratos (sanguessugas) com o Novo Banco para o lugar de os supervisionar?! Nem na República das Bananas, segundo a lei orgânica do BdP, o agora líder do Eurogrupo vai nomear-se a si mesmo?!

O país precisa, finalmente, de diferenciar com clareza reguladores e regulados - o contrário deu os resultados que estão à vista, passámos estes últimos 12 anos a salvar bancos falidos e corruptos. E logo Centeno, caramba, que, por exemplo, aquando da venda do Ex-bes às hienas Lone Star voltou a repetir - Tudo pelo sistema Financeiro.

Medo enfim, compreende-se que depois do desdém e depreciação a que tem sido sujeito nas instituições e na imprensa europeia, não lhe reste senão aqui o burgo... mas há limites.

Joana Amaral Dias



Ler mais

«Ao Domingo, Tele-Jornal é TELE-VENDAS» Paulo Morais

 ● 17/05/20
Ligações empresariais dos comentadores dos canais generalistas.



Ao Domingo, Tele-Jornal é TELE-VENDAS.
Os canais generalistas têm como comentadores "independentes" ao Domingo:

Na SIC, Marques Mendes, dos órgãos sociais da Caixa Geral de Depósitos e da Abreu Advogados, maior sociedade de advogados de Portugal; na TVI, Paulo Portas, consultor da Mota-Engil; na RTP, Pedro Norton, defensor dos interesses da poderosa tecnológica GFI e da Fundação Gulbenkian.

Com todas estas ligações empresariais, comentam com independência? Ou são apenas manipuladores de opinião pública, eles próprios manipulados,enquanto marionetas de grupos económicos?

Paulo de Morais

Ler mais

Novo Banco: «Querem culpar apenas Centeno» Paulo Morais

 ● 14/05/20
Nenhum deles assume a responsabilidade do que propôs, viabilizou e assinou.

Novo Banco: «Querem culpar apenas Centeno» Paulo Morais

ATIRAR A TRANSFERÊNCIA E ESCONDER A MÃO: O Novo Banco recebeu esta semana do Estado 850 milhões de euros. A verba foi transferida para o Fundo de Resolução pelo Ministro das Finanças, Mário Centeno.

A transferência foi uma consequência directa do Orçamento de Estado 2020, que António Costa apresentou no Parlamento, que o Bloco de Esquerda de Catarina viabilizou e que Marcelo Rebelo de Sousa promulgou - todos sem pestanejar.

ver: «Estado atribuirá à Banca 1700 Milhões, só em 2020» Paulo Morais

Mas agora, sem qualquer explicação, António Costa veio demarcar-se da transferência dos 850 milhões, Catarina Martins finge-se chocada, Marcelo veio "ralhar" publicamente a Mário Centeno - face à pressa e precipitação no envio do dinheiro. Nenhum deles assume a responsabilidade do que propôs, viabilizou e assinou.

Querem culpar apenas Centeno, fazer dele o bode expiatório. Não se assumem, atiram a pedra (a transferência) e escondem a mão.

Paulo de Morais

Ler mais