Posts do momento

Nuno Melo leva chapada de luva branca em directo

25 25
Nuno Melo vs José Latoeiro (em directo SICN)




Proponho que ouçam com atenção uma das mais bonitas e verdadeiras interpelações directas a um deputado europeu por um homem de Santarém, com a 4a classe feita de pé descalço! A dignidade que abunda neste senhor falta à nossa classe política!! by: actor Carlos Cunha - --
Um dos mais arrepiantes retratos da sociedade portuguesa que alguma vez se ouviu.


Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Próximo Post
Next Post
comentários blogger
comentários facebook

25 comentários blogger

  1. Será muito difícil, para qualquer Euro-Deputado, seja ele qual for, ouvir esta declaração «pura,cheia de realidade», sem demagogia politica pareceu-me. Esta declaração cala os nossos sentidos.É pura verdade o que este meu conterrâneo de Santarém acaba de descrever sobre a situação deste nosso triste país.
    Por acaso foi o deputado europeu Nuno Melo que levou este recado como poderia ser a senhora deputada Ana Gomes, ou para não ferir susceptibilidades João Ferreira (PCP) ou porque não os ou o deputado do BE...Qualquer um, poderia estar confrontado com esta pertinente declaração.
    Falta ouvir, o que Nuno Melo, terá dito ou replicado, a tão importante questionamento.Seria interessante!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu cá penso que isto encaixa melhor no nuno MELRO. Um dia destes, ouvi-o dizer, com o ar de gozão, que o caracteriza, que os custos com os depUTEDOS são elevados porque esse é o preço que temos que pagar pela democracia. Só me apeteceu dar-lhe uma valente chapada. Não se esqueça que para ele viajar todas as semanas para Bruxelas e de Bruxelas para portugal existem, como dizia o Sr. José, crianças a passar fome.

      Eliminar
    2. Permita-me sr.Fernando Tavares que discorde da sua analise, quando diz que,- este recado foi para o sr. Nuno Melo, mas poderia ser para qualquer outro deputado( dos que citou sao todos da oposicao)- e nao e a mesma coisa: Este senhor, tem responsabilidades diferentes daqueles que citou, porque, ele e membro destacado de um Partido que esta no governo e que ele tem apoiado incondicionalmente e dai resultarem responsabilidades diferentes, no contexto atual em que o Pais vive.

      Eliminar
    3. O comentário que acabo de ouvir, para além de ser verdadeiro, foi um retrato do país real; este governo passa a vida a dizer cobras e lagartos do governo anterior e esquece que tem tenhados de vidro e por acaso estão todos partidos, tal são as asneiras que tem cometido e continua na mesma senda. O que a coligação fez, levará muitos anos a recompor. Inesperientes, sem conhecimentos consolidados, a inconstitunacionalidade dos diplomas são bem prova disso. Governam para os nºs as pessoas não contam, principalmente os pensionistas, e porquê? porque as pensões são uma das maiores despesas do Estado e a troika disse "é preciso reduzir as pensões"; ora as ditas pensões são um direito (leiam a decisão do parlamento alemão). Ainda hoje, li que alguns reformados (os que têm pensões inferiores a 1.600 €) não podem deduzir o CES! mas os que auferem pensões superiores, já podem! Inacreditável....... e é por esta e por outras que nunca votaria no PSD ou CDS

      Eliminar
    4. muito bem.

      Eliminar
  2. Gosta ouvir a resposta.
    Quem souber deixe o link

    ResponderEliminar
  3. Concordo que seria interessante ouvir a resposta do Nuno Melo, caso a tenha dado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meus Caros, completamente de acordo com vossa opinião.
      Mas, e espero que compreendam, o autor deste vídeo nada tem a ver com o nosso/vosso blogue.
      Publicaremos essa resposta com todo o gosto, se a encontrarem.
      Agradeço que nos ajudem nessa tarefa.

      Saudações a todos.

      Eliminar
    2. A resposta ao Sr. José Latoeiro está no segundo vídeo a partir do minuto 23.

      Eliminar
    3. Vai dizer que estes são os custos da democracia.

      Eliminar
  4. Há muito que isto acontece. O problema não é de agora, mas já vem por alguns anos. A quantidade de Senhores a comeram à grande por conta do povo. Não conseguimos apontar o dedo a um único Governo que não tenha favorecido deputados, gestores de empresas, a troca de favores sempre existiu, existe e, vai continuar a existir. O problema não está neste governo, ou em outro que surgirá, está em todos estes políticos, na sua mentalidade e nas suas fracas capacidades para dar a volta à situação. Portugal necessita de novos políticos, sangue novo e pessoas que passaram/ passam pela crise. Estes senhores têm destruído o país. Daqui a uns anos será como era em 60/70, só existem doutores e gente do campo..mas é isso que lhes interessa. A maneira como os problemas do País sãos debatidos é incrível, de uma formalidade enorme, o que se poderia dizer em 2 frases,, demora quase 1 hora, mas convém, para que o povo português continue de olhos fechados. Mas não há stress,,,hoje o Ronaldo ganhou o prémio de melhor do mundo, amanhã logo resolvemos isso...

    ResponderEliminar
  5. embrulha faxo. não metam todos no mesmo saco que não foram todos que aqui nos trouxeram. abram os olhos.

    ResponderEliminar
  6. Nao se embrulham todos no mesmo saco PORQUE? Todos sabiam e conheciam o que se passava mas..era mais comodo e lucrativo deixar correr o marfim. Era tudo farinha do mesmo saco. Agora veem armados em comentadores e tem muita "palheta" (teem resposta/solucao para tudo). Porem o que lhes interessa e manter o sistema mais ou menos na mesma para poder continuar a "mamar".

    ResponderEliminar
  7. Mais um que saiu19 janeiro, 2014 06:25

    A verdade é que todos ignoramos isto e limitamo-nos a encolher os braços...tenho saudades de Portugal.

    ResponderEliminar
  8. Sr. Fernando Tavares,
    Julgo que os sentimentos manifestados por este homem, são os sentimentos da maioria dos portugueses e aproveito esta oportunidade para exprimir os meus. Quem quiser comentar, críticar e juntar-se à discussão, pois que o faça. Acho que é tempo de encontrar-mos soluções e não seguir apenas pela via das queixas (não obstante, serem mais que justas).

    Parece-me ser consensual que o diferendo entre cidadãos e classe política é a questão de fundo que atormenta o país, uma vez que esta última encontra-se mortalmente infectada pelo vírus da corrupção, representando o interesse próprio e privado e não o interesse público para o qual foi eleita. Posto isto, acho que devemos questionar se o actual modelo político "A Democracia Representativa".é o que se melhor adequa á realidade nacional pois se o descrédito na classe política é massivo e votar branco ou nulo nada adianta, apenas representa um cartão amarelo (mas com amarelos ninguém vai para a rua e neste caso, nem por acumulação) e ainda legitima o modelo, então pergunto eu : o que fazer para nos livrar-mos da canalha?

    A resposta que encontrei há 20 anos foi passar a fazer parte daquela que considero a maior força política em Portugal, a abstenção (infelizmente muito desorganizada).
    Amigos meus vêm nesta minha atitude, uma traição aos direitos conquistados em Abril, eu respondo-lhes que os fantasmas do passado já não me atormentam mas sim os do presente e só exercendo este direito de cidadania (abster-me) não só manifesto o meu "desencanto" pelas listas/candidatos que se propõem governar, bem como pelo modelo democrático que vigora (questão chave) e ainda assumo públicamente esta posição pois julgo que nos cadernos eleitorais, constará a informação junto ao nome de quem não vota(ou) ao passo que quem vota, manifesta a sua intenção política de uma forma secreta.

    Hoje, amadurecida esta posição, mais que nunca estou convicto que a mudança terá que passar pela adopção do modelo participativo, entendo que "A Democracia Participativa" e a única forma de arrancar o poder deliberativo das garras desta corja.Ora vejamos, na nossa dita democracia representativa, a malta vai ás urnas (os que vão) para deixar o seu voto mal esclarecido e pouco convicto, de 4 em 4 anos. A respectiva força politica ganhadora, governa a seu belo prazer durante esse período, sem qualquer participação ou possibilidade de intervenção por parte dos cidadãos, cometendo as maiores atrocidades, é isto portanto a democracia que temos ? Portugal tem agora a sublime oportunidade de se tornar o primeiro país do ocidente a adoptar uma nova democracia participativa e se este modelo não era viável no passado por questões basicamente logisticas, hoje temos poderosas ferramentas de comunição como a internet, que permitem a agilização deste processo participativo (sites governamentais).
    Pois que neste hipotético cenário se proponham as actuais listas politicas a eleições livres, que surjam novas, que elaborem os seus programas e que ganhe o "melhor". Que governe, mas no que toca ao poder deliberativo, esse fica entregue ao povo, até que para o bem e para o mal é sobre ele que as consequências caírão.

    Admito que a democracia representativa pode funcionar com sucesso (como é o caso do país onde vivo : a Noruega), mas não em Portugal, onde o "vírus" mostra toda a sua pujança e é sem extremismos mas também sem medo que ouso dizer: A TERCEIRA REPÚBLICA FALIU...VIVA A QUARTA REPÚBLICA".
    Um grande bem haja para o Portugal Glorioso e...até à volta do correio

    João Paulo Gomes
    ( Imigrante na Noruega)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bem haja joão. é bom saber que existe uma cabeça a pensar como a minha. dá-me um certo conforto pensar que afinal não é um defeito genético meu ou uma qualquer infecção esquisita que se infiltrou no meu cérebro. penso como tu desde os tempos em que pela última vez contribui para a eleição do soares para presidente e comecei a perceber que o voto apenas legitima a roubalheira. a única forma é pura e simplesmente ignorar todo o que é classe politica. como é óbvio o caminho a seguir para se sentirem ignorados é deixar de descontar impostos e assim mexer-lhes realmente onde dói. e sem preocupações de perseguições de fisco ou polícia. os sistemas só funcionam quando os marginais são uma minoria. se todos formos marginais passa a ser esse o sistema. sendo que marginal tem o sentido de "à margem desta podridão toda". como é óbvio também seria necessário desenvolver ao limite os valores nobres como entre eles a justiça e a solidariedade. o valor de deixar aos nossos filhos mais do que recebemos dos nossos pais. é esse o caminho. espero que por pensar como tu não venha a acabar na noruega. não que veja algum mal nisso, pelo contrário, mas já experimentei e sofro demais pela distância a este canto e aos que cá ficam. grande abraço joão. desejo-te o melhor pelo sorriso que me puseste no rosto. beijo em ti e nos teus. Mário Martinho

      Eliminar
  9. Não leva nenhuma chapada de luva branca, chapada leva quem deixou o pai de mão estendida, chega de hipocrisia, queriam almoços grátis??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Almoços grátis está o nuno Melro farto de comer. QUem lhe paga o ordenado? o Povo. será que se fosse o povo a dizer qual o ordenado que ele receberia ele podia fazer a vida que faz? Este é o palhaço que vive como vive porque é ele ou outros palhaços como ele que definem os ordenados que recebem. Eles é que vivem acima das possibilidades.

      Eliminar
  10. Grande Nuno Melo... Pequeno CDS

    ResponderEliminar
  11. Acho que ele tem razão. E concotdo com um comentários, d,o meu partido abstenção. Abstenção mas nem sequer ir votar,.Pois para mim criou-se uma geração de políticos «farinha do mesmo saco»

    ResponderEliminar
  12. Chorei quando ouvi este grande homem...
    Estou em Angola à cerca de 2 anos, tenho saudades da minha terra, tenho saudades de tudo aí, deixei para trás a minha família o meu país, a mulher da minha vida, deixei tudo, porque em Angola tenho sonhos e sei que são sonhos concretizáveis, sei que aqui tem muito para mudar, mas existe isso, todos tem capacidade de sonhar...sofremos é verdade, mas custa menos quando sabemos que podemos ter objectivos, quando podemos planear a nossa vida e podemos sonhar com um futuro melhor para nós e para as pessoas à nossa volta...

    ResponderEliminar
  13. O Nuno Melo é um dos que sabe o caminho das pedras para se encontrar a luz ao fundo do túnel.

    ResponderEliminar