Posts do momento

Aprenda a usar a vírgula com 4 regras simples

2 2
A vírgula é um dos elementos que causam mais confusão na língua portuguesa. Pouca gente sabe ao certo onde deve e onde não deve usá-la. O motivo disso é simples: sempre nos ensinaram de forma errada! Pelo prof. André Gazola - fonte: geledes

Já deve ter ouvido dizer coisas como "a vírgula é usada para indicar pausa", ou "prestem atenção em como vocês falam, quando tiver pausa, usem vírgula".. Tudo isso não é correcto, pois cada pessoa fala de maneira diferente, usa pausas diferentes e, basicamente, decide como quer falar. Mas não podemos, simplesmente, decidir onde tem e onde não tem vírgula. Ela tem poder demais para ser arbitrária.

Para saber o enorme poder da vírgula, vamos ver este pequeno vídeo:


Viu como a vírgula é importante?
Pois bem, existem algumas regras para o uso da vírgula, e elas são baseadas na gramática. Calma, não se assuste! O objectivo aqui é "triturar" a gramática para que não estrague os seus dentes. (No final do artigo proponho um interessante exercido a todos os leitores).
Clique para continuar a ler:



__* * * * *__

Exercício sobre vírgula e pontuação

O sr. Alfredo estava já no fim da vida e escreveu o seu testamento. Infelizmente, esqueceu-se da pontuação, e o texto ficou assim:

Deixo minha fortuna ao meu sobrinho não à minha irmã jamais pagarei a conta do alfaiate nada aos pobres

Reescreva o testamento 4 vezes. Em cada uma delas você deve dar a herança para alguém diferente. Pode usar qualquer sinal de pontuação, mas não pode mudar as palavras. É um exercício interessante e tem várias formas de ser resolvido. Escreva as suas tentativas nos comentários. (via facebook ou via Blogger)
(tradução e adaptação por portugal glorioso)

Partilhe este artigo

Post Anterior
Prev Post
Próximo Post
Next Post
2 Comentários Blogger
Comentários Facebook

2 comentários blogger

  1. 1) Deixo minha fortuna ao meu sobrinho, não à minha irmã! Jamais pagarei a conta do alfaiate, nada aos pobres. 2) Deixo minha fortuna - ao meu sobrinho não - à minha irmã. Jamais pagarei a conta do alfaiate, nada aos pobres. 3) Deixo minha fortuna - ao meu sobrinho não, à minha irmã jamais. Pagarei a conta do alfaiate. Nada aos pobres. 4) Deixo minha fortuna (ao meu sobrinho não, à minha irmã jamais, pagarei a conta do alfaiate? nada!) aos pobres!

    ResponderEliminar
  2. Parabéns, de Guarulhos, SP, Brasil! Gostei muito e ofereço outro exercício: O soldado foi injustamente condenado à morte. Em última instância, lhe permitiram implorar absolvição a Napoleão. Este, irritado, rabiscou o texto abaixo e mandou o soldado entregá-lo à Corte:

    Se o Tribunal condena eu não absolvo Napoleão

    Levando em mãos sua irrecorrível pena capital, leu-a com calma, aplicou a pontuação que faltava, escapou ileso e foi até condecorado! O que você faria no lugar dele?

    ResponderEliminar