«Poderosos e intocáveis com os quais, para meu azar, me cruzei em Portugal»

Traumas de jornalista - Miguel Szymanski

Salgado queixou-se à administração. Sentia-se retratado no meu artigo "como se fosse um gatuno". Fiquei sem emprego e os meus colegas também.

«Poderosos e intocáveis com os quais me cruzei em Portugal» Miguel Szymanski

A propósito de Berardo, lembro-me de alguns dos 'poderosos' e 'intocáveis' com os quais, para meu azar, me cruzei em Portugal ao longo de 25 anos de jornalismo.

Ricardo Salgado/BES: depois de dois artigos publicados na revista Fortunas&Negócios sobre os 'donos da banca' em 2001, Salgado queixou-se à administração. Sentia-se retratado no meu artigo "como se fosse um gatuno" (quem transmitiu esta citação de Salgado é hoje director de informação de um canal de televisão).

Fiquei sem emprego e os meus colegas também - a administração fechou a revista para não perder a publicidade no Diário Económico e no Semanário Económico.

Jorge Jardim Gonçalves/Millennium: depois de uma crónica numa revista enviou-me um bilhete, manuscrito, assinado e não muito subtil, a ameaçar com processos judiciais.

André Jordan/magnata do imobiliário: não gostou de um artigo que escrevi sobre ele para a 'Sábado' e o, na altura, director da revista veio dizer-me que a minha colaboração não podia continuar: "Lamento, passaste a persona non grata; o Jordan deve ter oferecido uns cartões gold para jogar golfe a alguém da administração".

Outras 'figuras do regime', da área política, que se queixaram de artigos meus e levaram um director de jornal a despedir-me: Santana Lopes e Dias Loureiro.

Depois houve o jornal, de primeira linha (Expresso), com o qual deixei de poder colaborar, subitamente e depois de meses de elogios aos meus artigos, porque alguém, imagino eu, mas não sei ao certo quem, não gostava da minha abordagem aos temas.

Houve ainda, também essa uma forma de censura, várias publicações que deixaram de me encomendar artigos porque, simplesmente, deixaram de ter verbas para pagar (recentemente o DN, por exemplo).

Enfim, nunca isto me deitou abaixo por muito tempo. Quando deixei de ter trabalho em Lisboa, que me permitisse sobreviver, fui durante uns anos trabalhar como jornalista para - excelentes publicações - em Berlim e Frankfurt.

Tenho a enorme sorte de poder trabalhar para órgãos de comunicação social na Alemanha e na Áustria. Mas tenho muita pena de alguns excelentes e incorruptíveis jornalistas que, aqui em Portugal, ficaram pelo caminho.

Miguel Szymanski
Jornalista/autor, correspondente em Portugal


Com tecnologia do Blogger.