«Em Portugal, cadastro é currículo» Paulo Morais

BPN: «Em Portugal, cadastro é currículo» - Paulo Morais


«BPN: Em Portugal, cadastro é currículo» Paulo Morais

Em Novembro de 2008, o Banco Português de Negócios (BPN) estava falido. O Estado, com Teixeira dos Santos como Ministro das Finanças de José Sócrates, nacionalizou-o. Os contribuintes assumiram e pagaram um prejuízo de cerca de 7 000 000 000 (sete mil milhões de euros).

Mais tarde, o BPN, saneado, sem dívidas, limpo, foi vendido ao Banco BIC, a custo quase ZERO. Depois de alguns episódios, e ao fim de todos estes anos, quem é o Presidente do BIC? Teixeira dos Santos, ele mesmo. Em Portugal, cadastro é currículo. 


Adenda: 26.06.2020 

Há doze anos, em 2008, o BPN estava falido. Teixeira dos Santos, Ministro de Sócrates, nacionalizou-o e assumiu os prejuízos. Os contribuintes pagaram um prejuízo de cerca de sete mil milhões de Euros.

Mais tarde, o BPN, saneado, sem dívidas, limpo, foi vendido ao Banco BIC, de Isabel dos Santos, a custo quase ZERO. E ao fim de todos estes anos, em 2020, quem é o Presidente do BIC (agora EuroBic)? Teixeira dos Santos, ele mesmo, o próprio.

Uma tacada certeira! E de longo alcance!
Paulo de Morais

Adenda: 17.03.2021 

REGABOFE: Em 2021, o Governo prevê pagar 50 MILHÕES de EUROS em "Despesas de Reprivatização do BPN", o defunto e enterrado Banco Português Negócios! 

Nacionalizado em 2008, o BPN foi (re)privatizado em 2011, vendido ao BIC. O Estado recebeu 40 MILHÕES, entregando o Banco limpo.

Mas, AGORA, em 2021, o Estado vai pagar 50 MILHÕES em "Despesas de Reprivatização do BPN" - ainda mais do que o valor da venda, ao fim de dez anos.

Fantástico: o Estado, que vendeu, é que continua a pagar a reprivatização!?

Mesmo depois de morto, o BPN ainda nos suga os recursos. Desta e doutras formas, de que mais tarde falarei.
Paulo de Morais

Deixar um comentário

Seja bem-vinda a opinião que vier por bem.

Com tecnologia do Blogger.