Paulo Morais: «Quem fez isto ao país, são traidores à nação»

Paulo Morais sobre o Negócio da Água: «Quem fez isto ao país, são traidores à nação»

Paulo Morais sobre o Negócio da Água

Grandes negócios sob suspeita: QUE PAÍS É ESTE?
Paulo Morais no Negócios da Semana, ontem, 15-12, SIC Noticias.

Água: Negócio Inquinado

"Em Portugal, nos últimos anos, foram dezenas os Concelhos que alienaram o negócio da distribuição de água, através do mecanismo das parcerias público-privadas.

Nesses municípios, os autarcas assinaram contratos danosos, garantindo preços elevados na água a pagar pelos consumidores. Ao mesmo tempo, comprometiam-se a consumos mínimos exagerados, que em nada colam com a realidade.

Os cidadãos começam então a suportar preços desmedidos; e, quando o consumo não atinge os valores previstos, as Câmaras assumem os custos, a título de indemnizações compensatórias. (Paulo Morais)

"Daqui a uns anos, vamos assistir a processos judiciais que têm a ver com estes contratos feitos agora" (...) "Os pobres dos portugueses pagam a água muito cara, para pagar as reformas aos ricos dos suecos. Isto é inconcebível. Quem fez isto ao país, são traidores à nação."

Vídeo: intervenção de Paulo Morais, (excerto 3 min). Edição: Pg.

3 comentários

  1. Sou do Brasil, parece que A CORRUPÇÃO É COMO A COVID-19, CONTAMINOU O MUNDO TODO.

    ResponderEliminar
  2. Enquanto o povo continuar a colocar no poder, corruptos e criminosos, então tem o que merece. E sim, aqueles que não vota é tão cúmplice, como aquele que vota nesses criminosos, PS/PSD e os seus amigos; é como quem vê alguém a necessitar de ajuda médica urgente e como não telefona para as urgências a pessoa morre. Aqui a pessoa é o país.

    ResponderEliminar
  3. Só agora é que Paulo Morais dá por comportamentos de traidores?
    Portugal é governado essencialmente por traidores há quase 50 anos, o que explica a elevada corrupção e roubalheira, armas mater de corruptos.

    ResponderEliminar

Seja bem-vinda a opinião que vier por bem.

Com tecnologia do Blogger.